José Dirceu assume coordenação do grupo Anti-Bolsonaro de Rodrigo Maia, em troca do apoio ao impeachment de Jair Bolsonaro

José Dirceu, o estrategista do PT, que está em liberdade graças aos seus amigos do STF, e não precisa cumprir a pena de mais de 30 anos pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, assumiu a coordenação da chapa de Baleia Rossi (MDB) à presidência da Câmara. O compromisso exigido pelo PT para entrar no grupo,foi o de votação do pedido de impeachment de Jair Bolsonaro. O grupo Anti-Bolsonaro  foi organizado por Rodrigo Maia.

Maia quer vingar-se de Jair Bolonaro, que não aceitou colocá-lo em algum ministério em troca da oferta de apoio dos seus deputados aliados, e dos amigos que possui no STF.

Mas. a  repercussão negativa da aliança do PT e seus puxadinhos PDT , PCdoB, Rede e PV com o candidato apoiado por Rodrigo Maia (DEM-RJ), o paulista Baleia Rossi (MDB), selou antecipadamente a derrota do grupo anti-Bolsonaro que disputa o comando da Câmara dos Deputados. José Dirceu participa da coordenação desta aliança.

Na verdade, partidos como MDB, PSL e PSDB, com maiores bancadas na Câmara, racharam com o apoio da esquerda. E, embora seus lideres tenham anunciado apoio, não darão a maioria dos seus votos para Rossi. Sequer o DEM de Rodrigo Maia dará todos os votos de sua bancada nesta aventura. Sequer o PT está unido: na votação interna, 23 dos 52 deputados da bancada votaram contra o apoio a Baleia.

Rossi terá como principal adversário o líder do PP e do Centrão, deputado Arthur Lira (AL), que tem o apoio declarado do presidente Jair Bolsonaro. Atualmente, o bloco de Lira é composto por PL, PP, PSD, Republicanos, Solidariedade, Pros, Patriota, PSC e Avante, além de deputados que racham o MDB, PSL, PSDB e DEM.

Mordomias do presidente da Câmara

O que Rodrigo Maia perde a partir de 1°de fevereiro: R$ 33,7 mil como presidente da Câmara, a título de “representação” (além do salário normal de deputado), mansão de 800 metros quadrados com despesas pagas, carro oficial com dois motoristas, direito de contratar jatos privados ou usar de graça jatinhos da FAB em viagens a trabalho ou retornos para casa (ele é o campeão em viagens com aeronaves da Força Aérea) e R$ 4,2 milhões por ano para contratar até 47 funcionários – além dos 25 do seu gabinete parlamentar.

Assim, o presidente da Câmara tem direito a um total de 72 funcionários, que custam aos cofres públicos R$ 5,2 milhões por ano. É essa mordomia que Rodrigo Maia perde a partir do final do mês.

Pauta do impeachment no acordo com PT

O bem informado Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação e atual diretor do Banco Mundial, adverte: “Não subestimem os inimigos. José Dirceu é muito inteligente! As antigas desavenças foram superadas e estão todos se alinhando para 2021. O impeachment do presidente Bolsonaro está sendo negociado abertamente com o PMDB na Câmara dos Deputados”.

Deixar uma resposta