LASIER ADVERTE PARA O FIM DA FILANTROPIA NAS ÁREAS DA SAÚDE E EDUCAÇÃO

Resultado de imagem para lasier martins senador

Persistente no tema, o senador gaúcho Lasier Martins (PSD) volta a advertir que a reforma da Previdência proposta pelo governo “poderá extinguir o trabalho filantrópico nos setores da educação e saúde”. Lasier explica que atualmente, muitas das entidades filantrópicas são imunes à contribuição para a seguridade social porque como contrapartida,executam serviços, projetos e programas em áreas que o Estado não alcança. O problema apontado por Lasier,está no texto que o relator da PEC, deputado Arthur Maia (PPS-BA), quer aprovar, “ desqualificando a educação e retirando-a das isençõe s fiscais da política de seguridade social.” Apenas no Rio Grande do Sul, destaca Lasier, cerca de 100 mil alunos são beneficiários de bolsas de estudo de 100% ou 50%, quando o total é de 600 mil alunos em todo o país. O senador observa que apenas as instituições que cometerem desvios de recursos devem ser penalizadas.

PREVIDÊNCIA DOS ESTADOS FICA NO PACOTE

Resultado de imagem para temer

O Presidente Michel Temer, para precaver-se da possibilidade de ser apontada inconstitucionalidade na idéia de excluir estados e municípios da reforma da previdência, já orientou líderes das base aliada da decisão de colocar no texto da reforma da Previdência Social um artigo que dá prazo de seis meses para estados e municípios aprovarem regras próprias para os regimes previdenciários de seus servidores. Caso estados e municípios não cumpram este prazo, passa a valer o texto aprovado pelo Congresso Nacional. Temer atendeu a apelo dos governadores eu temem não conseguir aprovar nos estados,a proposta que muda as aposentadorias dos servidores.

GIOVANI FELTES EM BRASÍLIA

Resultado de imagem para feltes

Por conta desta e de outras medidas,além da possibilidade de que o pacote de ajuste fiscal dos estados seja votado a partir de hoje na Câmara, o secretário da fazenda Giovani Feltes viajou pra Brasília. Quer participar de perto do processo de votação,caso seja incluído na pauta do Congresso.

ALMA LAVADA

Resultado de imagem para feltes e sartori

Giovani Feltes, que é deputado federal pelo PMDB, licenciado do mandato, e que aceitou assumir a Fazenda atendendo a apelo do governador José Ivo Sartori, começou a semana de alma lavada. Tudo por conta da série de elogios e cumprimentos recebidos dos principais líderes do PMDB na convenção do fim de semana quando seu espírito de sacrifício e a lealdade demonstrada na missão espinhosa de comandar a área das finanças do estado, foram enaltecidos.

A PERDA DE LEITOS PEDIÁTRICOS

Os dados da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, são estarrecedores: no período entre 2010 e 2016,o estado perdeu 17% nas vagas de internação para crianças e adolescentes de até 18 anos. Em números, são 521 leitos a menos para atendimento pelo Sistema Único de Saúde.

PEEMEDEBISTAS DIZEM A SARTORI QUE ELE SÓ NÃO SERÁ CANDIDATO, SE NÃO QUISER

Resultado de imagem para sartori e alceu moreira

Aclamado presidente regional do PMDB, o deputado federal Alceu Moreira prometeu um trabalho forte visando o comando das eleições do próximo ano onde sustenta, ao lado da maioria dos pemedebistas, que o candidato ao governo seja José Ivo Sartori. Mas, além do consenso criado em torno de Alceu Moreira, outro nome mereceu elogios pelo trabalho: o ministro da Casa Civil da presidência da república, Eliseu Padilha. A começar pelo governador José Ivo Sartori que foi enfático,ao reconhecer o papel de Padilha na articulação em favor do Estado: “para nós, do Rio Grande, as grandes conquistas no relacionamento federal, foram conduzidas pela porta de entrada sempre pelo ministro Eliseu Padilha e com a contribuição dos deputados federais.” As manifestações dos peemedebistas deixaram claro que, para a disputa ao governo, o nome preferido é o do governador Sartori.

AJUDA OU ATRAPALHA?

Resultado de imagem para sartori pmdb

Embora o nome de José Ivo Sartori como candidato á reeleição seja uma reação natural do PMDB, que já vê sinais de arrefecimento da crise do estado, a manifestação pode atrapalhar algumas negociações que ainda precisam ser feitas para a aprovação de projetos polêmicos no legislativo. Aos aliados,o governo tem dito que, vencida a crise, todos os que estiveram juntos poderão colher os dividendos do sucesso.

JOGANDO PARA A TORCIDA

Resultado de imagem para edson brum

O tom de cordialidade que marcou a convenção apenas foi quebrado pelo discurso do deputado Edson Brum que, colocou-se contra a proposta de reforma da previdência, criticando os argumentos do vice-lider do governo, Darcísio Perondi que antes, defendera com dados, a urgência da aprovação dessa reforma. Brum apresentou seu nome ao partido para a disputa ao Senado em 2018,mas a proposta não entusiasmou aos correligionários.

RIGOTTO: O CORINGA DO PMDB

Resultado de imagem para rigotto

Muito aplaudido, o ex-governador Germano Rigotto lembrou que já disputou uma prévia dentro do partido em 2006, para a disputa a presidência da República, quando obteve mais votos, mas acabou derrotado pelo regulamento por Anthony Garotinho Rigotto elogia as propostas do presidente Michel Temer, e afirma que o PMDB precisa apresentar candidato em 2018. Enfático, disse que “se ninguém quiser, eu aceito disputar a candidatura a presidente”. No partido, Rigotto é visto como um coringa para as próximas eleições, e poderá disputar uma cadeira ao Senado, ou à Câmara dos Deputados, para puxar votos.

PRESSÃO PARA REDUZIR PRAZOS DE DESINCOMPATIBILIZAÇÃO

Resultado de imagem para vicente candido

É muito forte o movimento dos ministros junto ao relator da proposta de reforma política, deputado Vicente Cândido, do PT, para que promova alterações nos prazos da legislação eleitoral para desincompatibilização. O prazo atual para ministros e secretários estaduais e municipais deixarem os cargos é de seis meses antes da disputa, ou seja, em abril. O objetivo é reduzir para três meses, permitindo que os cargos de confiança enquadrados nesta faixa possam deixar os postos apenas em julho.

GAÚCHOS ACREDITAM QUE HÁ ESPAÇO PARA NEGÓCIOS COM O MUNDO ÁRABE

17457457_1399403246749159_7857216327726815747_n

O presidente da FAMURS, a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul, no Sul do Brasil, Luciano Pinto, concluiu um roteiro de importantes contatos com autoridades e investidores da Arábia Saudita. Antes de retornar da Arábia Saudita, depois de contatos com representantes de empresas interessadas em investimentos na América do Sul, Luciano participou em Ryihad, ao lado do presidente da Coopnore, a Cooperativa dos Notários e Tabeliães, Sérgio Afonso Manica, da assinatura do importante acordo com o Dr. Nasser, Presidente da Saudi Management Association – King Saud University e a OCERGS (Organização das Cooperativas do Rio Grande do Sul) garantindo suporte que será dado para a abertura da Faculdade de Cooperativismo no Reino da Arábia Saudita, com know-how brasileiro.

PRESTANDO CONTAS A SARTORI

Resultado de imagem para famurs luciano pinto

O presidente da Famurs, Luciano Pinto disse ontem à noite ao colunista, ao chegar em Porto Alegre, que vai preparar um relatório dos contatos feitos na Arábia Saudita ,para entregar ao governador José Ivo Sartori. Antes da viagem, Sartori conversou com o presidente da Famurs, solicitando que ele identificasse a existência de oportunidades de negócios, fazendo um trabalho precursor para uma futura viagem oficial do governo gaúcho aos países árabes.

ANA AMÉLIA DEIXA CLARO: É CONTRA O VOTO EM LISTA FECHADA

Em discurso na tribuna do Senado, senadora Ana Amélia (PP-RS)
Em discurso na tribuna do Senado, senadora Ana Amélia (PP-RS)

A senadora Ana Amélia (PP) já firmou posição sobre a proposta de voto em lista fechada, defendida entre lideranças do Congresso. Ana Amélia está tornando públicas as razões pelas quais votará contra a proposta:

— A lista fechada é um pacote pronto e acabado para o eleitor, determinado pelo partido político. Assim, o eleitor pode ter surpresas de naquela lista estar alguém que ele jamais escolheria para representa-lo.

COMISSÃO AGORA VAI APOIAR VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA

152689_G

A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa rejeitou na reunião desta semana, o parecer do deputado Jeferson Fernandes (PT). Ele era contrário ao Projeto de Resolução 24/2015, da Deputada Zilá Breitenbach. Entre outras medidas, a proposição da deputada altera o nome da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos que passa a denominar-se “Comissão de Direitos Humanos, da Cidadania e das Vítimas de Violência”.

O Blog de Flavio Pereira