FALA O CORREGEDOR

178920_S

Corregedor da Assembléia Legislativa, o deputado Marlon Santos (PDT) se manifestou ontem. Preferiu acender uma vela para o dragão, e outra para São Jorge. Segundo ele, “ o deputado Jeferson Fernandes (PT) cumpriu seu dever como parlamentar e com legitimidade, como político que defende uma causa e que envolve movimentos sociais e a sua bandeira política”. Observou ainda que “a polícia cumpriu seu papel diante da demanda judicial.”

DARCISIO PERONDI NA COMITIVA DE MICHEL TEMER NA RÚSSIA

Plenário SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 174 ANOS DA REVOLUÇÃO FARROUPILHA Foto Luiz Alves - SEFOT-CD Data 21-09-09
Foto Luiz Alves – SEFOT-CD

Vice-líder do governo na Câmara, o deputado Darcísio Perondi , que integra comitiva oficial do presidente Michel Temer na viagem à Rússia, informou ontem à coluna que “os pontos mais importantes da agenda desta viagem incluem reuniões com o presidente Vladimir Putin, com o primeiro-ministro Dmitry Medvedev, com a presidente do Conselho da Federação, Valentina Matvienko, e com o presidente da Duma de Estado, Vyacheslav Volodin.” Perondi disse que “as possibilidades de ampliação dos negócios entre os dois países são imensas: a Rússia precisa importar parte do que consome, por conta do frio e das dificuldades climáticas. Quanto mais a Rússia comprar do Brasil, mais empregos vamos gerar em nosso País. E a geração de empregos é a nossa maior prioridade”.

DESDE 2012, R$ 185 MILHÕES PARA O RALO DA CARRIS

Porto Alegre, 11/01/2013  Prefeito José Fortunati na solenidade de entrega de 13 novos ônibus articulados Local: Largo Glênio Peres Foto: Cristine Rochol/PMPA Vice-prefeito, Sebastião Melo. Pres. Carris, Sérgio Zimmermann
Foto: Cristine Rochol/PMPA

Não é só o governo do Estado que mantém estatais deficitárias, de estimação, para as quais todos os contribuintes são chamados a cobrir rombos todos os anos. Casos da CEEE e Companhia Riograndense de Mineração, por exemplo. Na prefeitura de Porto Alegre,a estatal de estimação por ora, é a Carris, que ontem comemorou 145 anos. Desde 2012, a prefeitura tem tirado recursos da saúde, da educação e dos investimentos em infra-estrutura para cobrir rombos da Carris. Começou em 2012, com o rombo R$ 5,3 milhões nos cofres da empresa. No ano seguinte, o valor pulou para R$ 28 milhões, em 2014, foi necessário cobrir o rombo de R$ 49 milhões. Em 2015, o total ficou em R$ 48 milhões. No ano passado, o rombo da Carris foi de R$ 55 milhões.

COMISSÃO DE ÉTICA ARQUIVA CASO DE PADILHA

Eliseupadilha-1

A Comissão de Ética Pública da Presidência decidiu arquivar o caso que envolveu declarações do ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. O anúncio foi feito pelo presidente da comissão, Mauro Menezes. Segundo a informação oficial, o colegiado aceitou a defesa do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, em relação a declarações admitindo troca de votos no Congresso por espaço na Esplanada dos Ministérios.

52 PROJETOS PARA VOTAÇÃO NA ASSEMBLÉIA

137125_S

Se quiserem, os deputados estaduais poderão votar na sessão plenária desta terça-feira, 52 projetos. Antes porém,será necessário concluir a votação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 261/2016, interrompida na última sessão por falta de quórum ,e que altera o cálculo do tempo de contribuição para aposentadoria dos servidores.

PAINEL DA AJURIS REÚNE TARSO E RIGOTTO

ajuris-slider1

A Ajuris (Associação dos Juízes do RS) promove hoje, o painel “A política ainda é possível?” com a mediação do juiz de Direito João Ricardo dos Santos Costa, ex-presidente da Associação dos Magistrados Brasileiro. O painel acontece às 14h30min, no Auditório da Escola da Ajuris (Rua Celeste Gobbato, 229), em Porto Alegre. O evento, aberto ao público, reunirá em debate os ex-governadores do Rio Grande do Sul Tarso Genro (PT) e Germano Rigotto (PMDB) e o cientista político da UFRGS André Marenco. A promoção é do Departamento de Direitos Humanos da Ajuris com apoio da Universidade LaSalle e da Escola da Ajuris.

MINISTRO FACHIN TEVE APOIOS IMPORTANTES

fachin-devolve-processo-descriminaliza-stf1-696x391

 

Grupo de parlamentares da base do governo ainda insiste em apurar a polêmica que cerca os movimentos que o agora ministro Edson Fachin fez, durante sua campanha para ser indicado para o Supremo Tribunal Federal. O delator Ricardo Saur, lobista da JBS usou seus contatos em Brasília, e colaborou decisivamente para a indicação de Fachin, viajou com ele no trajeto Curitiba – Brasília – Curitiba e promoveu jantar com o senador Renan Calheiros. O ministro não se deu por suspeito ao homologar o acordo de delação dos Batista e Saur.

TEMER TAMBÉM É O DONO DO TRIPLEX DE GUARUJÁ?

579132

A curiosa entrevista-bomba do empresário Joesley Batista, dono da JBS, atribuindo ao presidente da República Michel Temer a condição de “chefe de quadrilha” provocou uma imediata reação do acusado: em nota oficial,o presidente Michel Temer anuncia a adoção de interpelações ao empresário,nas esferas cível e criminal. Tão desconexas foram as declarações do dono da JBS, e seu esforço para excluir o ex-presidente Lula do foco das investigações,que apenas faltou afirmar que Michel Temer seria o verdadeiro dono do polêmico triplex de Guarujá.

UM ACORDO DOS SONHOS

J-e-W-batista

O acordo de delação da JBS, o chamado “acordo dos sonhos”, que poderá ser revisado nesta terça-feira pela Segunda turma do STF, permitiu que Joesley e seu irmão, Wesley, não fossem condenados a dois mil anos de prisão, não precisassem ficar presos, sequer obrigados a usar tornozeleira eletrônica com direito a anistia nas demais investigações às quais respondem e sem necessidade de entregarem os passaportes.

EX-PROCURADOR DA LAVA-JATO ATUA NO ESCRITÓRIO QUE ATENDE JOESLEY

edi11-foto-marcelo

O ex-procurador da República Marcelo Miller, que atuava no grupo de trabalho da Lava Jato e era um dos braços-direitos do procurador-geral da República Rodrigo Janot, passou a atuar neste ano no escritório Trench, Rossi & Watanabe Advogados que negociaram com a PGR os termos de leniência do grupo JBS, o que surpreendeu aos próprios colegas na Procuradoria Geral da República. Miller atuava na Lava Jato até março e, segundo informações, tornou pública a decisão de deixar a PGR em 6 de março, exatamente na véspera da conversa entre Joesley Batista e o presidente Michel Temer, gravada pelo empresário no Palácio do Jaburu.

O DIÁLOGO SOBRE PROPINAS COM DILMA

2840_2_L

Joesley Batista relata também suas conversas com os ex-presidentes Luis Inácio e Dilma, sobre propinas. Com Dilma, a conversa no Palácio do Planalto, segundo ele, foi bastante explícita:

“Confirmei com a Dilma porque ela me pediu R$ 30 milhões para o [governador de Minas Gerais, Fernando] Pimentel. Aí me senti na liberdade de explicar.”

A conversa, segundo Joesley, foi “no Palácio do Planalto”, “na mesa redonda do gabinete presidencial”.

“Expliquei: acabou o dinheiro. Ela ouviu e falou: ‘Tá bom. Pode fazer’. Foi o último dinheiro. Estava no final da campanha.”

MARCO AURÉLIO: “MP NÃO FALA PELO JUDICIÁRIO”

marco-aurelio-mello

Incomodado com o protagonismo do Ministério Público, adotando decisões que na sua ótica,seriam privativas de magistrados, o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello afirmou que é atribuição exclusiva do Judiciário negociar benefícios de penas nas delações premiadas. “O Ministério Público não pode prometer algo que decorre da caneta de quem julga. O Ministério Público não fala pelo Judiciário”.

O DESFECHO DE UMA PROLONGADA INVASÃO

MG_6719-Cópia

Detido por ordem do oficial de justiça, acusado de tentar obstruir o cumprimento de ordem judicial de reintegração de posse na invasão de um prédio no dentro de Porto Alegre, o deputado Jefferson Fernandes (PT) que preside a Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa teve a solidariedade do presidente da Assembleia Legislativa gaúcha, deputado Edegar Pretto (PT) e da deputada federal Maria do Rosário. Com a desocupação, a Justiça encerrou um caso que vinha se arrastando desde dezembro de 2015,quando ocorreu a invasão. Desde então abriram-se vários prazos para que fosse negociada a desocupação pelo grupo de ativistas políticos e algumas famílias, num total de 70 pessoas.

FALTAM ESTRATEGISTAS?

Marcel Van Hattem deputado

A emenda de Marcel Van Haten trouxe à luz algo que está evidente na atual base do governo, e no seu núcleo político: a falta de estrategistas. Além de ter perdido o tempo para o encaminhamento da proposta de plebiscito, caberia ao governo ter incluído Corsan e Banrisul no pacote original, para negociar a sua exclusão num segundo momento. Talvez a emenda do deputado Marcel tenha consertado essa omissão dos estrategistas.

O Blog de Flavio Pereira