Tarso Teixeira deixa um legado importante no agronegócio e na vida pública.

Nesta segunda-feira, o produtor rural Tarso Teixeira morreu, aos 69 anos. Ele estava internado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre desde o início de dezembro em decorrência da Covid-19.

Teixeira era superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) no Rio Grande do Sul e diretor vice-presidente da Farsul (Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul). Tinha destaque na defesa do direito à propriedade.

Ele começou sua trajetória foi na cidade onde nasceu, São Sepé, na Região Central do Estado. Foi onde atuou como presidente do Sindicato Rural durante duas décadas. Depois, por 16 anos, esteve à frente do Sindicato Rural de São Gabriel. Na sequência, comandou diversas entidades que o tornaram um dos líderes rurais mais influentes no Estado.

No comando da superintendência do Incra no Estado desde 2019, viabilizou a entrega de títulos definitivos para mais de 300 famílias assentadas em todo o Rio Grande do Sul, além de firmar parcerias com as prefeituras para investimentos e melhorias em infraestrutura produtiva, buscando recursos federais para estes municípios. Como escritor, é autor dos livros “Visão da Terra” (2004), “Utopias do Atraso (2009) e “Combatendo o Bom Combate” (2019), da Martins Livreiro Editora.

Teixeira era casado, pai de três filhos e avô de dois netos. O sepultamento acontecerá pela tarde, em São Gabriel.

Deixar uma resposta