CÂMARA REJEITA PROPOSTA PARA DEVOLVER RECURSOS DO FUNDO PARTIDÁRIO

O deputado gaúcho Marcel Van Hatten, lider do Novo na Câmara dos Deputados,não conseguiu aprovar uma emenda de sua autoria,que permite aos partidos politicos devolver aos cofres públicos, os recursos do undo Partidário. A emenda foi rejeitada por 294 votos. Mrcel alerta que atualmente, já existem depositados na conta do partido, R$ 6,7 milhões que … Ler maisCÂMARA REJEITA PROPOSTA PARA DEVOLVER RECURSOS DO FUNDO PARTIDÁRIO

LASIER PROPÕE QUE SENADORES TENHAM APENAS 40 ASSESSORES

Vice-presidente do Senado, o gaúcho Lasier Martins (Podemos) elaborou uma lista de cortes que podem levar a uma economia de R$ 500 milhões por ano no Senado. Uma delas, chama a atenção: reduzir o número de assessores a que cada senador tem direito. Hoje, são 50 assessores. Dentro de um pacote de medidas, Lasier propõe … Ler maisLASIER PROPÕE QUE SENADORES TENHAM APENAS 40 ASSESSORES

CÂMARA APROVOU ANISTIA PARA PARTIDOS

A emenda do deputado gaúcho foi rejeitada em meio à deliberação da Câmara dos Deputados sobre o Projeto de Lei 1321/19 que define a gestão dos partidos. Foi aprovado no entanto, o texto que concede anistia a partidos políticos que não tenham aplicado 5% dos recursos anuais do Fundo Partidário no incentivo à participação das … Ler maisCÂMARA APROVOU ANISTIA PARA PARTIDOS

ASSEMBLÉIA USA CÂMERAS PARA IDENTIFICAR AGRESSORES

Uma série de agressões praticadas ontem contra membros da policia legislativa,assessores e até mesmo deputados serão apuradas pela Assembleia Legislativa. Com o uso de câmeras,serão identificados os autores das agressões. O presidente da Assembleia, Luis Augusto Lara (PTB), registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil e garantiu que o legislativo vai colaborar com as investigações. … Ler maisASSEMBLÉIA USA CÂMERAS PARA IDENTIFICAR AGRESSORES

MELO QUER CANCELAR AUMENTOS DO JUDICIÁRIO E MP

Com uma justificativa de 32 páginas, o deputado Sebastião Melo,do MDB, protocolou ontem na Assembleia Legislativa, projeto que cancela os aumentos salariais auto-concedidos pelo Poder Judiciário, Tribunal de Contas do Estado, Ministério Público Estadual e Defensoria Pública, de 16,1%. Melo garante que os reajustes “são ilegais, porque não existem leis que os autorizem”.