DEM gaúcho recria a Frente Liberal para preservar princípios após a fusão com PSL

Leia a coluna de Flavio Pereira no jornal O SUL:    https://www.osul.com.br/dem-gaucho-recria-a-frente-liberal-para-preservar-principios-apos-a-fusao-com-psl/

__________________________

A Frente Liberal, criada em 1985 para dar sustentação à redemocratização do País, ressurgiu no final de semana na capital gaúcha como garantia de que a iminente fusão com o PSL não afaste os Democratas dos ideais de liberdade econômica, liberdade de expressão, liberdade e respeito à prática religiosa, direito à propriedade, e direito à legitima defesa, dentre outros.

Um grupo de lideranças do DEM, tendo à frente o presidente estadual Rodrigo Lorenzoni e o presidente do DEM em Porto Alegre, Reginaldo Pujol, apresentou no encontro ocorrido no sábado (25), após uma mensagem de áudio enviada pelo ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni, um manifesto que, segundo Rodrigo, “foi fruto de uma grande reflexão sobre cenário político-partidário atual”.

Para ele, “nosso compromisso através da Frente Liberal, é identificar e formar lideranças que possam participar ativamente da política, para que de maneira comprometida, deem voz aos verdadeiros anseios dos cidadãos”. O manifesto resgata ainda outros princípios da Frente Liberal: a transparência nos atos da administração pública, incentivo ao desenvolvimento econômico e ao empreendedorismo, fortalecimento do agronegócio, a redução do tamanho do Estado e o respeito à família.

Fusão tem números gigantescos

A fusão do DEM com o PSL, abrigando políticos de direita, cria um megapartido e assusta aos demais, que tentam fustigar o projeto. Não é para menos: somados os fundos partidário e eleitoral do DEM (R$ 161 milhões) e do PSL (R$ 296 milhões), o novo partido terá R$ 458 milhões para investir eleitoralmente. Além disso, terá na Câmara os 54 deputados federais do PSL somados aos 28 do DEM — uma mega-bancada de 82 deputados, além de 7 senadores (um do PSL e seis do DEM). Há previsão de outros deputados e senadores aproveitarem a brecha para ingressar no novo partido.

Bastidores do encontro

Na reunião das cúpulas realizada na última terça-feira, duas manifestações foram destaque. Uma, de autoria do ministro Onyx Lorenzoni, questionando sobre o apoio ao presidente Jair Bolsonaro, que foi rejeitada. Outra, do ex-senador Agripino Maia, que criticou Gilberto Kassab. Segundo ele,o DEM investiu em Kassab que traiu a todos, “e foi usado por Lula para criar o PSD e tentar destruir o Democratas”.

Próxima reunião

Neste domingo (26), o ministro Onyx Lorenzoni informou ao colunista, que ainda não foi definida a data da convenção dos dois partidos, que irá selar a fusão DEM-PSL. Segundo ele, esta semana deve ocorrer a definição da data.

Leave a Reply