Bolsonaro autoriza Boeings para buscar na Índia, 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford

O presidente Jair Bolsonaro autorizou que sejam contratados aviões comerciais, mais rápidos que os jatos da FAB, para viagem à  Índia nesta quarta-feira, na busca de  duas  milhões de doses da vacina contra a Covid-19 do laboratório Serum . Serão dois Boeings cargueiros.

O imunizante é desenvolvido pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford e tem eficácia demonstrada, superior a 70%.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira em Manaus, pelo ministro da Saúde Eduardo Pazuello, em Manaus.

Há uma frustração com a avaliação da vacina Coronavac produzida pelo Instituto Butantan, feita pela epidemiologista Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin, de Washington, que calculou a taxa geral de eficácia e indicou que a vacina chinesa tem índice de 49%. Esse índice não autoriza aprovação pela Anvisa, que seguindo padrões internacionais exige o mínimo de 50%.

No dia 2 de janeiro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou um pedido feito pela Fiocruz para importação das duas milhões de doses da vacina.

Pazuello informou que  as doses devem chegar no Brasil no dia 16 de janeiro. “É o tempo de viajar, apanhar e trazer, já está com documento de importação pronto […]. Então quando nós tivermos a posição da Anvisa, temos material para distribuir e temos capacidade para vacinar no país todo”.

A Fiocruz entregou na sexta-feira (8) o pedido de uso emergencial da vacina à Anvisa. Na terça (12), a agência disse que a reunião para definir a autorização emergencial das vacinas está prevista para domingo (17).

De acordo com o ministro, ainda em janeiro, a partir de liberação da Anvisa, o governo terá 8 milhões de doses de dois tipos de vacina contra a Covid-19 para vacinar a população. Serão 6 milhões de doses da CoronaVac, imunizante produzido pelo Butantan em parceria com o laboratório Sinovac, e essas duas milhões de doses da vacina de Oxford importadas da Índia.

Deixar uma resposta