NOVO LAVA ROUPA SUJA

É sério o que o ex pré-candidato ao Senado, o empresário Sérgio Suslik Wais, está denunciando, após ser aprovado em todas as etapas do processo seletivo de candidatos do NOVO no Estado e depois, excluído. A queixa é de censura às suas propostas liberais. Outra crítica do empresário, está com o caráter secreto da convenção do partido marcada para o próximo dia 20,e que teria apenas a presença de membros da executiva.

O BALANÇO DAS OBRAS PARADAS

Impressiona o estudo que os pré-candidatos à presidência da República receberam da CNI (Confederação acional da Indústria) mostrando, com base em dados do Ministério do Planejamento, que existem 2.796 obras paralisadas no Brasil, sendo que 517 (18,5%) são do setor de infraestrutura. Em primeiro lugar, está a área de saneamento básico, com 447 obras paradas, seguindo obras de rodovias (30), aeroportos (16), mobilidade urbana (8), portos (6), ferrovias (5) e hidrovias (5). O custo destas obras paradas de infraestrutura já custaram R$ 10,7 bilhões.

“CHICANA CANHESTRA” NO CASO DO HC

O procurador regional Maurício Gotardo Gerum, representante do MPF no julgamento de Lula no caso do Triplex de Guarujá, manifestou-se sobre a atitude do desembargador plantonista que acolheu pedido da defesa de Lula e determinou monocraticamente, a concessão do habeas corpus ao réu que cumpre pena em Curitiba: ““A impressão que tive foi a de que a impetração do habeas pelos parlamentares advogados na sexta-feira à noite foi a chicana mais canhestra e acintosa que eu já presenciei nos meus anos de profissão. Por um cacoete de uma vida que já se acostumou às baixezas e vilanias que povoam nosso caquético mundo político, patrocinou-se um movimento que procurou contaminar o processo judicial com essa falta de maturidade democrática”.