GOVERNO FINANCIA MOVIMENTO QUE VAI A BRASÍLIA CRITICAR O PRÓPRIO GOVERNO

Temer EBC

O presidente Michel Temer destacou ontem na sua manifestação em rede nacional de rádio e TV, que “é fácil bater no governo. Quero ver é fazer”. Temer tem razão. O próprio governo financia quem bate no seu governo. Um exemplo disso é o financiamento do Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena para a viagem dos índios que, na próxima semana, estarão em Brasília para o Acampamento Terra Livre destinado a atacar o seu governo.

AMIGOS DE LULA JÁ SABEM QUE ELE CUMPRE PENA?

lula-e-o-primeiro-ex-presidente-2003-2010-do-brasil-preso-por-um-delito-comum-1523233028054_v2_615x300

O país inteiro sabe que o ex-presidente Lula cumpre uma pena em regime fechado, de 12 anos e mês,ainda que beneficiado pelas condições especiais que lhe foram concedidas. Desde foi recolhido à superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no dia 7, que pedidos de visitas de ao menos 12 alegados amigos do ex-presidente – na maioria, políticos – acumulam-se sobre a mesa da juíza federal substituta Carolina Moura Lebbos, responsável pela execução da pena de 12 anos . Amigos ou supostos amigos de Lula precisam ser informados de que ele não se encontra num spa, ou em uma clinica, e existe um regime carcerário imposto para a execução da pena.

FALTA DE REGULAMENTAÇÃO PARA AUTÔNOMOS

images (1)

A falta de regulamentação da reforma trabalhista, que não foi votada por deputados e senadores, vai colocar no limbo trabalhadores intermitentes, gestantes em atividades insalubres, garçons e autônomos. O governo decidiu não enviar, por ora, ao Congresso nenhuma proposta para substituir a medida provisória (MP) 808, que faz ajustes na reforma trabalhista e perde a validade nesta segunda-feira, por entender que não há clima no Congresso para retomar esse assunto neste momento.

SOLUÇÃO PODERÁ SER VIA DECRETO

Eliseupadilha-1

Ontem à noite,o ministro da Casa Civil Eliseu Padilha admitiu que a área técnica do governo analisa os pontos da reforma trabalhista que poderão ser regulamentados por decreto e, por isso, ainda não há prazo para edição do documento. Na próxima semana, está prevista uma reunião entre técnicos do Palácio do Planalto e do Legislativo para tratar do assunto.