01/12/2016 Carrossel de Informações

Novo Prefeito de Canoas vai tratar segurança com seriedade

O prefeito eleito de Canoas, Luiz Carlos Busato (PTB) sinalizou ontem que o discurso sobre segurança como prioridade não foi apenas tema de campanha para ganhar a eleição. Ao invés de usar o cargo para composições políticas, Busato conseguiu uma solução de primeira linha ao indicar o ex-chefe da Polícia civil do Estado, delegado Ranoldo Vieira para o cargo. Ranolfo aceitou o cargo e ontem mesmo já buscou iniciar a transição do trabalho em Canoas.

Herança positiva em Canoas

Na área da segurança, o ex-chefe de Polícia vai encontrar uma herança positiva. O destaque será por conta do presídio iniciado graças a um acordo firmado ainda em 2009 pelo prefeito Jairo Jorge,com a então governadora Yeda Crusius,do PSDB. O acordo,bombardeado politicamente por vários segmentos políticos, mesmo assim foi cumprido por Jairo Jorge. A nova penitenciária, que começa a ser utilizada, tem capacidade para 2,8 mil vagas.
Juízes e promotores promovem momento histórico
Ontem, juízes e promotores gaúchos realizaram ato de protesto na frente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Foi uma manifestação pública histórica em defesa da independência e autonomia do Poder Judiciário e do Ministério Público e contra medidas aprovadas pela Câmara dos Deputados que cerceiam suas atuações nos processos. Cerca de 400 pessoas ligadas às carreiras jurídicas participaram da mobilização, que durou uma hora.

Onyx versus Renan

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM) não gostou da insinuação do presidente do senado Renan Calheiros (PMDB), de que sua campanha eleitoral teria sido irrigada com recursos oriundos de caixa dois vindos da indústria de armas. Irritado,Onyx deu a seguinte resposta: “Com bandido a gente lida ou na polícia, ou na Justiça”.

Prefeitura de Santa Maria ganha ação de meio milhão

O futuro prefeito de Santa Maria,Jorge Pozzobon (PSDB) assume em janeiro,com um abacaxi a menos,graças à atuação da Procuradoria do município. O Ministério Público do Trabalho pretendia fosse o Município condenado ao pagamento de multa por descumprimento de acordo judicial, equivalente a importância de R$ 430.805.141,40 ainda em 2009. A ação pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho em 1994 contra o Município de Santa Maria – processo n.º 00544.701/94-1 – tratava de supostas irregularidades na contratação de serviços terceirizados por meio de Cooperativa de Trabalho de Santa Maria – COOTRASMA, tendo havido a celebração de acordo, com o cumprimento pelo Município do acordado e o arquivamento do feito. Em 2009, o Ministério Público do Trabalho, peticionou, entendendo que o Município de Santa Maria não estava cumprindo o acordo. O requerimento não foi aceito e o MPT, recorreu inicialmente ao TRT da 4ª Região e por fim ao TST, que não acolheu as razões Ministeriais. Autora da defesa do Município, a Procuradora Jurídica Janice Quadros da Silveira Paixão comemora o fato como “uma vitória de todos os munícipes, já que economizamos quase meio milhão de reais que deixaram de sair dos já combalidos cofres municipais”.

Deixar uma resposta

O Blog de Flavio Pereira